Fundo site Paróquia São Sebastião
Logotipo Paróquia São Sebastião
Assistir Missa

Assista a missa On-line.

Ver mais horários e locais
Untitled Document
Histórico da Paróquia


Os paroquianos de São Sebastião, comemoraram o feliz ano de 1950, quando o bispo atuante Dom Justino José de Sant’Ana, deu extensão ao seu zelo apostólico fazendo por bem e atendendo aos calorosos apelos dos antigos moradores do bairro intitulado rocinha e quarto depósito sobre o regimento pastoral do padre Geraldino Cunha a construção de uma Igreja em honra a São Sebastião. Entretanto, os que frequentavam a velha capela de São Sebastião desejavam criar a paróquia num ato de entusiasmo cristão erguendo a então, Igreja Matriz de São Sebastião, acompanhada de sua casa paroquial e do salão paroquial. Esta conquista se deu, pela capacidade de liderança da comissão paroquial e das muitas doações, sensibilidade, generosidade, bondade e firmeza da fé dos moradores que tanto almejavam um crescimento da comunidade local.


Relato histórico


Na década de 50, na Rua Capitão Nestor altura do número 15 era o local que existia a Igreja de São Sebastião chamada assim pelos adultos e de “igrejinha” pelas crianças, um local pequeno onde as crianças brincavam, porém, onde todos os dias às 6h da manhã e ás 18h era recitado o santo terço. O sino era tocado manualmente, somente nos horários de missa. O vigário, padre Geraldino Cunha, era o pároco responsável na época pela comunidade que aos poucos assumia uma nova identidade. Havia um movimento na Igreja freqüentado somente por homens; congregados, chamado de “congregação mariana”, onde eles ajudavam de todas as formas possíveis a Igreja e um outro movimento formado por jovens de ambos os sexos, chamado de “cruzada”, formado principalmente pelas irmãs de caridade do antigo asilo São Miguel, hoje denominado de lar São Miguel.

Havia em frente à Igreja uma escadaria feita de cimento e nas laterais um passeio também cimentado, entretanto não havia proteções de muro e cercas, pois, acreditava-se que depredar ou roubar Igrejas trazia acontecimentos ruins para vida dos infratores. Por muitas vezes, a iluminação interna que já era precária era interrompida pela falta de energia elétrica. No interior da Igreja havia cerca de 120 acentos de madeira. O padre celebrava as missas em latim de costa para o povo, atrás de uma bancada, as pessoas para comungar se ajoelhavam no chão e comungavam sobre uma patena que o sacristão (coroinha) segurava para que não caísse partícula alguma da sagrada comunhão ao chão.

A figura do padre Geraldino e de todos os padres de uma forma geral era bem respeitada pelo povo, pela sua postura enérgica, quase autoritária o padre somente usava batina preta e seu pedido era praticamente uma ordem.


As festas em homenagem ao santo padroeiro São Sebastião desde o princípio sempre foi muito animada com a participação dos homens nos serviços mais pesados e das mulheres nas ornamentações com bandeirinhas de papel nas ruas e barracas feitas de bambú. Os moradores das ruas enfeitavam suas casas para a passagem do andor de São Sebastião com velas e flores, e as mulheres cobriam as suas cabeças com véus pretos em sinal de respeito. Durante a festa, além da parte espiritual considerada obviamente a mais importante, o leilão de prendas configurava um dos momentos mais formidáveis, pois a disputa era acirrada e o valor aumentava conforme o lance dado, o leiloeiro oficial chama-se Augusto Mota de alta estatura e voz eloquente o que valorizava ainda mais as prendas como: bolos, cartuchos bem montados cheios de doces, pequenos cestos enfeitados e cheios de doces, salgados e broinhas de fubá. Não sobravam nada, as galinhas, ovos, porcos, patos e gados, enfim toda variedade de mercadorias era arrematada.


A Igreja foi demolida na década de 50, tornado-se este um momento muito triste para os que tinham uma ligação emocional para com o templo, foi um momento de muito choro principalmente por parte das mulheres, choro de como quem perde algo que ama muito.


 O terreno foi vendido e passou as ser construído onde está atualmente instalada a Igreja Matriz de São Sebastião na rua XV de fevereiro. Foram muitos os que contribuíram para tamanha ascensão, muitos já se foram para os braços do Pai e outros permanecem até os dias de hoje, tornando esta uma colaboração histórica e fruto visível da união e do esforço humano abençoado por Deus.